Acessibilidade Deficiência Física

Gol Linhas Aéreas dificulta embarque de criança de colo com paralisia cerebral

Gol Linhas AéreasPRECONCEITO!

A Gol Linhas Aéreas está dificultando o embarque de uma criança de sete meses de idade com paralisia cerebral em um de seus voos. A denuncia foi feita por Elisa França, mãe da bebê. Pessoas com necessidades especiais* precisam de autorização da companhia para viajar. Porém, mesmo preenchendo o formulário e enviando a documentação necessária, Elisa relata que não consegue a autorização para sua filha.

“Eu ligo pra eles [funcionários da empresa aérea], que dizem que vão retornar. Mas eles ou só retornam muito depois ou ignoram tudo o que eu estou falando e retornam a mesma resposta que já deram anteriormente”.

O caso iniciou no mês de setembro. Cinco dias antes da viagem, Elisa foi informada pela Gol de que não poderia utilizar no voo o aparelho elétrico de sucção, ligado à traqueostomia que garante a respiração da bebê. E que ela teria que adquirir um aparelho manual.

Deputada questiona número reduzido de cadeirantes em voos
Deputada cadeirante fica presa em avião em SP
Empresas aéreas ignoram normas de acessibilidade

Após a compra do equipamento manual – sem bateria ou componentes metálicos – e envio dos dados no novo aparelho, a empresa informou um dia antes do voo que elas não poderiam embarcar, por se tratar de um equipamento elétrico. A conclusão errônea fez com que elas perdessem o voo, de Uberlândia a Belo Horizonte (MG), no dia 15 de outubro, como conta Elisa.

“Eles estão barrando de tudo que é jeito meu embarque. Eu estou me sentindo, sem atenção nenhuma. Parece que estão brincando comigo, porque eu converso, eu explico a situação, eles falam que vão resolver e me dão a resposta que estão me dando desde o início”.

A viagem foi remarcada para o próximo dia 20, mas a companhia insiste (em contato no dia 17) que o equipamento é elétrico e não concede a autorização. Elisa informou que buscará auxílio na ouvidoria da empresa e cogita acionar a Justiça para resolver a questão.

Fonte: http://correiodobrasil.com.br/ (18/10/11)

*A terminologia correta, segundo a Convenção da ONU e a Legislação Nacional do Brasil é pessoas com deficiência (Nota do Blog).

Sobre o Autor

Vera Garcia

Paulista, pedagoga, blogueira e modelo da Agência Kica de Castro. Colunista do site Vida Mais Livre e do Jornal Inclusão. Amputada do membro superior direito devido a um acidente na infância.

7 Comentários

  • Que Marie venha nesse post ajudar a debater o assunto. Vera, avisa a mesma da existência desse assunto. As companhias aéreas precisam receber multas para começar cumprir os direitos dos consumidores com deficiência.

  • Olha isto é um assunto muito complexo, no qual temos que olhar os dois lados o lado da família e o lado da companhia aérea, sei que é doloroso para a família e ao mesmo tempo constrangedor, mas temos também que ver o lado da empresa, que cumpre regras e essas regras não sõs criadas pela própria empresa e sim pela IATA, ANAC entre outros.
    Acho meio sensacionalista o que este site faz, não foi a primeira empresa a fazer isse e nem será a útima, eu moro em Uberlândia e acompanhei nos teles jornais este fato, muito me espanta o site dizer que a mãe da criança vai levar a empresa na justiça, pois se no dia do embarque a mãe da criança estava agradecendo todo apoio que a compnhia aérea estava dando a criança! Então antes de escrever temos que procurar os fatos!

    • Olha,Tiago ,Sinto muito ,mas é obrigação de qualquer empresa oferecer acessibilidade a um portador de necessidades especiais, isso é discriminação. Não é possível que em pleno século XXI ainda temos que brigar por causa do preconceito. Não é sensacionalismo, se ela estava agradecendo porque a empresa deve ter caído em si em oferecer o devido apoio e não fez mais que obrigação.

Deixe um Comentário