Brasil deve ter 570 mil pessoas com autismo

0

AutismoCom base no único estudo epidemiológico sobre autismo no Brasil, que estimou que 0,3% da população de uma cidade teria algum tipo de transtorno do espectro do autismo, haveria hoje no Brasil pelo menos 570 mil pessoas com um TEA.

O número de diagnósticos de autismo tem aumentado no mundo todo e há uma necessidade urgente de se saber quantas pessoas com transtornos do espectro do autismo (TEA) existem no Brasil. Tomando como referência o único estudo epidemiológico sobre autismo no Brasil, que estimou que 0,3% da população de uma cidade teria algum tipo de transtorno do espectro do autismo, haveria hoje no Brasil pelo menos 570 mil pessoas com um TEA.

As informações são da engenheira florestal e mãe de um autista de 16 anos, Inês de Sousa Dias, sócia-fundadora do Autismo&Realidade, entidade que vem divulgando várias informações importantes sobre o autismo em seu site na Internet. De acordo com ela, precisa haver uma grande campanha nacional de conscientização sobre autismo. “Há muitas pessoas no Brasil não diagnosticadas por falta de informação das famílias e dos profissionais”, lamenta.

Inês reforça que, com uma checagem relativamente simples, o pediatra pode sinalizar sintomas de autismo e encaminhar para diagnóstico. “Em condições propícias, as pessoas com autismo podem ser pelo menos muito felizes”, destaca.

Mas ela já conseguiu identificar alguns avanços. “Desde quando meu filho foi diagnosticado, em 2001, o avanço tem sido impressionante, principalmente em relação à conscientização dos pais e sua busca por melhores condições dos filhos”, vibra.

Ela observa que existem várias pessoas que, “a partir do quase nada de recursos”, vão à luta, aprendem, reivindicam, mobilizam e conseguem melhores condições para o seu filho e ainda beneficiar muitas outras famílias. As duas maiores instituições de assistência às pessoas com autismo no Brasil, cita Inês, são a AMA, em São Paulo, e a Casa da Esperança, em Fortaleza, fundadas e dirigidas até hoje por mães de autistas.

Estas instituições lutam para fazer um bom trabalho, diz ela, mas normalmente tem uma grande fila de espera. Caso da Casa da Esperança, em Fortaleza. “Uma das grandes angústias de quem dirige essas instituições é dizer não a uma nova família… Faltam serviços governamentais ou não, falta pessoal capacitado, faltam recursos para as instituições existentes”, lamenta.

Sobre a inclusão, ela acredita que esse é um assunto um tanto polêmico. Há quem defenda que o autista deve estudar sempre na escola regular; Outros acreditam na escola especializada. “Eu acredito na diversidade: para cada pessoa, cada família, cada história existe a solução mais adequada. A escolha inicial e preferencial, no entanto, deve ser sempre a escola regular”, opina.

Para ela, há experiências muito positivas de inclusão em escola regular. Ela chama atenção para o fato de crianças com autismo, sendo bem atendidas nas suas necessidades, estimuladas e compreendidas, aprendem muito com as outras crianças. “As outras crianças e os educadores aprendem muito mais com seus colegas e alunos com autismo. As adaptações que beneficiam os estudantes com autismo beneficiam também os outros estudantes, como conforto acústico, diferentes maneiras de ensinar…”, exemplifica Inês. (Lucinthya Gomes)

SAIBA MAIS

A criança com autismo tende a não brincar de faz-de-conta, fica
enfileirando os carrinhos, por exemplo, mas não brinca de levá-los ao posto, de apostar corridas.

Crianças (e os adultos, muitas vezes) com autismo são propensas a “pitis” e não conseguem entender muitas das regras sociais. Pais de crianças com autismo acabam vendo muitas caras feias de adultos que acham que são crianças mal educadas. Outras vezes podem ser vistas como “mimadas” pelos pais.

Nas escolas este fenômeno é frequente. Se os professores e diretores fizessem um esforço para entender o que é o autismo e como se comportar frente a uma criança com esta condição, seu aproveitamento seria muito melhor.

CURIOSIDADE

Há o preconceito de que toda a pessoa com autismo tem alguma
super-habilidade junto com as deficiências, como no filme Rain Man. Isso não é verdade, apesar de acontecer com alguns.

Outro grande erro é dizer que “o autista vive no seu próprio mundo”. Cada vez mais se sabe que a maioria entende o que se fala para eles e sobre eles.

Outro preconceito é de o autista não tem afetividade – ele tem, só manifesta de formas diferentes.

SAIBA MAIS

O QUE PRECISA MUDAR

O Brasil ainda está muito despreparado para atender às necessidades e promover as potencialidades das pessoas com autismo.

Os diagnósticos são tardios e, quando feitos, há carência de profissionais e serviços que saibam atendê-los.

A inclusão escolar é muito incipiente e há muita resistência de escolas públicas e privadas em pelo menos tentar inclui-los.

São comuns casos de crianças que, aos 10 anos, já foram expulsas por cinco ou seis escolas. São locais que não aceitam fazer as adaptações, que não aceitam sequer matricular.

Muitos pais ainda ouvem que o filho tem problemas por que os pais não o acolhem emocionalmente. Havia uma crença de que o autismo seria causado pelo distanciamento da mãe, o que deu origem ao termo “mãe geladeira”.

FONTE: www.autismoerealidade.org

Para navegar
www.autismoerealidade.org
www.autismspeaks.org (inglês e espanhol)

Postar um Comentário

Comentários são extremamente importantes, pois enriquecem e agregam valor a um post. Todo comentário é bem-vindo desde que respeite as regras criadas pela autora do blog. Não serão aprovados comentários:

  • obscenos, ofensivos e anônimos;
  • não relacionados ao post;
  • propagandas (spam).

ANTES DE POSTAR UM COMENTÁRIO, LEIA COM ATENÇÃO:

  • O Blog Deficiente Ciente é um BLOG PESSOAL, portanto NÃO TEM VÍNCULO com nenhuma instituição de reabilitação, clínica médica ou empresa.
  • Devido ao grande número de perguntas/dúvidas que recebemos através dos comentários, nem sempre conseguimos responder a todos.
  • Visite a seção de PERGUNTAS FREQUENTES do blog para ver as respostas das dúvidas mais frequentes dos visitantes do blog: www.deficienteciente.com.br/perguntas-frequentes

© 2009-2013 - Deficiente Ciente