Poliomielite: Prevenção, tratamento e diagnóstico

2
Imagem de uma criança recebendo a vacina via oral

Caro leitor,
Na primeira parte desse artigo vimos o que é poliomielite. Hoje veremos a prevenção, quadro clínico e a forma de tratamento dessa infecção.

 
Prevenção

Dependendo de onde vivem, as crianças devem ser imunizadas com uma ou ambas as formas de vacinação da pólio: a vacina Salk com póliovirus inativado que é administrada através de injeção ou a Sabin, vacina da pólio oral com vírus vivo atenuado, que é administrada através da boca. A Sabin provê a melhor proteção contra a pólio. Porém, em casos raros, pode causar a pólio paralítica. Por isto, alguns países onde agora a pólio não é mais endêmica usa-se só a vacina da pólio Salk, inativada, que é quase tão efetiva quanto a Sabin (Conheça as vacinas necessárias para crianças).

Tratamento

Não há nenhuma droga que mate o vírus uma vez a infecção tenha começado. O tratamento é dirigido aos sintomas da doença. Pessoas com a forma abortiva da doença são tratadas com repouso na cama e remédios para controlar a febre e as dores musculares.

A forma paralítica da doença pode requerer tratamento adicional, incluindo:

  • Fisioterapia: A fisioterapia previne o dano adicional aos músculos paralisados. O tratamento da paralisia depende de quais músculos foram afetados.
  • Medidas para prevenir infecções urinárias — Se os músculos da bexiga normalmente não se contraem, a bexiga pode não esvaziar completamente. Isto pode provocar infecções urinárias. O uso de sondas para esvaziar a bexiga pode ser necessário, e a longo prazo, os antibióticos podem ser recomendados em alguns casos.
  • Apoio Mecânico à Respiração — Algumas pessoas têm problemas em manter suas vias aéreas abertas para respirar depois de uma infecção de poliomielite, porque os músculos respiratórios estão fracos ou paralisados. Neste caso, um tubo (cânula) pode ser colocado na traquéia (a traquéia é o tubo que conecta a boca aos brônquios pulmonares). Este tubo é colocado por uma abertura no pescoço, chamada traqueostomia. O tubo de traqueostomia pode receber o ar de uma máquina chamada ventilador. Um cateter preso a um motor de vácuo (sucção) pode ser usado para remover o muco excessivo pelo tubo de traqueostomia. Pessoas que precisam de respiração artificial a longo prazo têm que viver em uma instituição (geralmente hospital) que é provida de pessoal de enfermagem e terapeutas que são qualificados no cuidado respiratório.

Qual médico procurar?

Procure imediatamente um neurologista em um serviço de emergência se houver qualquer sinal de fraqueza ou paralisia muscular, particularmente quando acompanhadas de febre. Dor de cabeça intensa com pescoço duro também requer atenção médica.

Há duas formas mais comuns da pólio:

Poliomielite Abortiva: Esta é a forma que acontece principalmente em crianças jovens e é a mais comum das duas. A doença é moderada e o cérebro e a espinha dorsal não são afetados. Os sintomas aparecem de três a cinco dias após a exposição ao vírus e incluem febre leve, dor de cabeça, dor de garganta, vômitos, falta de apetite, e uma sensação geral de indisposição e desconforto (como uma gripe).

Poliomielite Paralítica: É a forma mais severa da doença que se desenvolve aproximadamente de sete a catorze dias depois da exposição ao vírus. Os sintomas incluem febre, dor de cabeça severa, pescoço e duro, e dor muscular profunda. Algumas pessoas sofrem anormalidades temporárias da sensibilidade da pele. Espasmos musculares e uma tendência a reter urina são comuns. A fraqueza muscular e a paralisia podem se desenvolver rapidamente ou gradualmente durante os picos de febre, mas a paralisia não continua a piorar depois que a febre cede. A doença atinge geralmente os músculos das pernas, mas as áreas afetadas dependem de que altura da espinha dorsal ocorreu a infecção e pode incluir os braços, músculos abdominais, tórax, pescoço, e músculos da garganta. A insuficiência respiratória acontece se o vírus infetar os nervos da espinha dorsal que controlam os músculos respiratórios do tórax (parte mais alta da coluna) ou as partes do cérebro envolvidas na respiração.

Diagnóstico

O diagnóstico da pólio é baseado no exame neurológico. Seu médico pode suspeitar que você tenha pólio se você tiver febre com fraqueza ou paralisia das pernas que afetam principalmente um lado de seu corpo. Ele irá examinar seus reflexos musculares e procurará alguma área de fraqueza muscular, contrações musculares anormais, e diminuição do tônus muscular. Podem ser colhidas amostras de secreção da garganta ou das fezes para identificar o póliovirus em testes de laboratório. Também podem ser solicitados exames de sangue para identificar os anticorpos do vírus que são produzidos pelo sistema imune se você tiver a infecção.

Fonte: http://www.policlin.com.br/

Veja:

2 Comentários

  1. Roseanny disse:

    Gente toma cuidado, para vc mãe que está perto de ter seu filhinho, não esquece que tem que vacinar…

  2. thais disse:

    Gente estou aqui para avisar que isso é muito serio posso ser uma simples estudante mas sei como é perigoso meu irmão já teve tudo porque a babá esqueceu de levar ele para tomar a vacina
    nao esquecer de levar todas as crianças menores de 5 anos para tomar a vacina
    xau beijos!!!!!!!!!!

Postar um Comentário

Comentários são extremamente importantes, pois enriquecem e agregam valor a um post. Todo comentário é bem-vindo desde que respeite as regras criadas pela autora do blog. Não serão aprovados comentários:

  • obscenos, ofensivos e anônimos;
  • não relacionados ao post;
  • propagandas (spam).

ANTES DE POSTAR UM COMENTÁRIO, LEIA COM ATENÇÃO:

  • O Blog Deficiente Ciente é um BLOG PESSOAL, portanto NÃO TEM VÍNCULO com nenhuma instituição de reabilitação, clínica médica ou empresa jurídica.
  • Devido ao grande número de perguntas/dúvidas que recebemos através dos comentários, nem sempre conseguimos responder a todos.
  • Visite a seção de PERGUNTAS FREQUENTES do blog para ver as respostas das dúvidas mais frequentes dos visitantes do blog: www.deficienteciente.com.br/perguntas-frequentes

© 2009-2013 - Deficiente Ciente